link para site da Madereira Colina

   

PÁG. INICIAL
FEIRAS
FÓRUM
ANÚNCIOS
ASSOCIAÇÕES
LISTA DE CRIADORES
LOJA VIRTUAL
LISTA DE FORNECEDORES
OUTROS_SITES
MANUAIS DE CRIAÇÃO
COTAÇÕES
ARTIGOS
LIVROS
ENDEREÇOS
BATE PAPO
E-MAIL

 

DE MANEIRA SIMPLES

Artigo escrito por Barbara Shoots publicado originalmente na Empress Chinchilla Breeder cuja tradução foi publicada na revista Chilasul New ano 5 nr. 26 de setembro/outubro de 1996.

 

Sempre nos perguntam sobre corno fazemos para saber tudo sobre todos os animais que ternos na nossa cabanha. Minha resposta é: fazer tudo muito simples. Muitos anos atrás descobrimos um sistema que é fácil e funciona rnuito bem até agora, mesmo tendo milhares de animais.

 

É muito importante poder manter registros de tudo o que acontece na cabanha, já que sem isto é difícil, num dado momento, determinar quais os animais que produzem as melhores peles, as maiores ninhadas, etc.

Nesta época da informática achamos que é mais fácil usar o nosso sistema. Para maior facilidade, acostume-se ao uso de uma agenda ou qualquer tipo de caderneta ou calendário. Nós preferimos uma de tipo semanal e mantemos uma em cada um dos sete galpões da nossa cabanha. No começo você vai querer registrar tudo o que acontece todos os dias, ou seja: nascimentos, mortes, mudanças de alimentação, alfafa nova, mudanças de clima, visitantes, etc, etc, etc.

 

Os principais fatos que anotamos são os nascimentos, época de medicação preventiva e limpeza dos filtros de água. A partir destas anotações, você poderá tirar conclusões ante qualquer problema que poderá ocorrer e que geralmente lhe ajudarão a encontrar possíveis soluções. Um exemplo: Há uma época sem nascimentos. Revise os fatos ocorridos 3 meses atrás e você encontrará que fez muito calor; ou o aparelho de ar condicionado pifou; ou que o inverno foi muito rigoroso; ou que o sistema de aquecimento não funcionou. A resposta então poderá ser que calor demais ou frio demais foi a causa dessa diminuição na atividade reprodutiva.

 

Todas as crias nascidas são anotadas na ficha da mãe e na agenda do galpão, no dia correspondente, anotando os dados da mãe e do pai, o número de crias e o sexo. É muito importante anotar estes dados na ficha da mãe, porque quando você está trabalhando no setor de cria e quer saber a performance de determinada fêmea, bastará apenas olhar a ficha dela para conhecer sua história. Conhecemos pessoas que anotam tudo apenas no livro de registro ou no computador e, quando querem saber as informações, tem que ir lá buscá-las.

 

Depois que estes dados foram anotados nas fichas das mães e na agenda, colocamos um pequeno vasilhame na gaiola da mãe, que serve de refúgio para as crias (um é suficiente para 4 crias), e também um prendedor de roupas de cor azul e outro de madeira no comedouro. O prendedor azul indica que há crias com menos de 10 dias (é tirado no décimo dia) e o de madeira indica que o túne1 está aberto. Também usamos uma fita colante de cor verde com círculos brancos, que indicam o número de crias e que é afixada na parte da frente da gaveta da maravalha. No terceiro dia fechamos o túne1 e tiramos o vasilhame das crias e o prendedor de roupas de madeira. Assim, rapidamente podemos saber se estão todas as crias com a mãe ou falta alguma, contando as marcas e contando as crias. Algumas vezes uma passou para outra gaiola e assim é fácil localizar de onde é.

 

Desmamamos as crias com seis semanas e as colocamos todas juntas em outra gaiola durante mais ou menos um mês. Elas se manterão muito bem e não estarão sozinhas. Também colocamos juntas, em pares, as crias únicas, geralmente de sexos opostos ou de outra cor, porque parece ser que se mantêm melhor quando estão acompanhadas. Se forem do mesmo sexo, corte um pouco o pêlo do rabo ou marque na orelha de uma delas e depois anote na ficha correspondente quem é quem. Geralmente um mês depois do desmame é que nós os separamos e os colocamos sozinhos na gaiola.

 

Um pouco depois do nascimento das crias você pode anotar as informações no seu livro de registros. Usando o sistema de agenda você poderá continuar suas tarefas até que tenha mais tempo. Corno nós temos 7 galpões diferentes, trato de fazer as anotações uma vez por mês. Anoto tudo no livro de registros, pela ordem, me guiando pelas agendas de cada galpão. Depois de tudo registrado, faço as fichas das gaiolas. Um ano uso cor azul para as fichas dos machos e rosa para as fêmeas. No ano seguinte uso cor verde para os machos amarelo para as fêmeas. Como as cores se alternam a cada ano, de uma só olhada podemos saber o sexo do animal, se pertence ao presente ano ou é do anterior. Isto é de especial ajuda quando se trata de animais de peleteria. Você não precisa parar para ler as fichas das gaiolas. Quando se trata de mutações, colocamos uma marca colorida no lado direito da gaiola, preto para os pretos, vermelho para os beges, etc. Também você os reconhece sem ter que parar para ler as suas fichas.

 

Outra anotação importante é colocar quantos machos e quantas fêmeas nasceram da ninhada, esta maneira, quando sejam adultos e estejam na sua própria gaiola e você encontrar um belo animal, vai se perguntar se tem irmãos. Você não terá que correr para ver a ficha da mãe, que pode até estar em outro galpão, ou ir até sua casa e consultar seu livro de registros ou seu computador. Apenas  olhe para sua ficha.

 

Para numerar os animais, use o código internacional, a letra correspondente ao ano e numere-as na ordem consecutiva segundo forem aparecendo durante o ano. Todos os animais nascidos na sua criação têm a sua marca, da sua cabanha. Assegure-se de acompanhar a sua marca com o número do animal para completar a sua identidade.

 

Às vezes eu não tenho tempo de fazer as fichas das crias e já é tempo de desmamá-las; ou Ralph colocou uma cria de uma ninhada grande com outra mãe. Não é problema. Ele usa uma ficha branca onde anota o sexo, a data de nascimento, e os pais da cria e esta ficha permanece na gaiola até que eu possa fazer a ficha colorida. Estas fichas são preenchidas e colocadas numa caixa pela ordem da data e assim eu vou colocando-as nas gaiolas das mães. Se vejo urna ficha branca eu coloco a outra anotando nela tudo o que Ralph já anotou. Também colocamos em cada ficha, no lado superior direito, a data em que o animal foi desmamado. Se tem mais irmãos para desmamar, anotamos a data em que serão separados.

 

Aqui temos um exemplo da nossa folha de registros. É muito simples. Inclui a data de nascimento, a mãe, o pai, o número do animal, o sexo e a coluna para comentários. Nesta coluna, anota-se se foi colocado em cria; se foi coureado; o preço da pele; se morreu e porque ou se foi eliminado e o motivo. Isto lhe dá informação permanente sobre tudo o que acontece no seu rebanho.

 

DATA MÃE PAI NR.ANIMAL SEXO COMENTÁRIOS
04/01/78 ABC D200 XYZ E10 XYZ F6 M  

 

Com a existência destes registros você mantém excelentes informações sobre as diferentes linhas de cria, podendo ter a sua história por todo o tempo que se queira... dez anos, vinte, trinta, etc,.etc É só olhar para seus pais, seus avós, etc. Ao preencher todas as colunas você terá informações permanentes sobre todas as atividades com seu rebanho. Anote todas as crias nascidas, vivas ou mortas, ou mortas logo depois de nascidas, para ter informações completas.

 

OS ANOS E SUAS LETRAS
Ordem na qual devem-se usar as letras para designar o ano de nascimento do animal
1980 = J 1988 = T 1996 = E
1981 = K 1989 = V 1997 = F
1982 = L 1990 = X 1998 = H
1983 = M 1991 = Z 1999 = J
1984 = N 1992 = A 2000 = K
1985 = P 1993 = B 2001 = L
1986 = R 1994 = C 2002 = M
1987 = S 1995 = D 2003 = N

    

 

 

GALERIA
Confira a coleção de fotos de casacos dos principais nomes da costura mundial.  
página grande, leva em torno de 8 minutos para baixar.

Envie sua mensagem ;